Carregando

Aguarde, processando!

Você sabe a origem dos nomes das uvas?

Você sabe a origem dos nomes das uvas?

01/03/2018

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

16334 Visitas

Por Marcelo Copello

Todos os nomes têm um significado. Isso não é diferente com as uvas. Como sabemos existem cerca de dez mil castas de uvas no mundo. Mas alguém aí já se perguntou a origem dos seus nomes? Alguns são de ordem mitológica, outros científica, outros controversos. Também alguns são bem curiosos. Vejamos:

Malbec

Há quem diga que a origem seria um nome próprio, Malbek, de origem húngara. Outra teoria, mais lógica, já que Malbec é uma uva francesa, seria “Mal bec” ou boca amarga em francês, devido aos taninos mais duros que os Mabec franceses têm.

Merlot

O nome viria do pássaro Melro, que em francês é Merle, uma praga no país, que adora comer as uvas Merlot.

Pinot Noir

O nome seria devido ao formato de seu cacho, como um pi- nho (pin), noir (escuro).

Tannat

O nome vem dos muitos taninos que esta uva tem.
 Petit Verdot. Assim como na Pinot Noir, o nome vem da forma de seu cacho, pequeno (petit) e esverdeado (verdot).

Sangiovese

Esta uva italiana tem a origem do seu nome no latin: “Sanguis Jovis”, que significa sangue de Júpiter.

Carménère

Seu nome viria da palavra francesa carmin, que, como em português, significa um vermelho forte.

Syrah

Esta uva é de origem muito antiga, com muitas lendas em torno de seu nome. Está provado que sua origem genética está no Vale do Rhône (França), mas há especulações que ligam seu nome à cidade de Siracusa, na Sicília, ou ainda de uma cidade com o nome Shiraz, no Irã, antiga Pérsia. Ou, ainda, seria derivado de “Darou é Shah” (o remédio do rei), que era como o rei persa Djemchid se referia ao vinho. Há até quem extrapole e insinue que Syrah teria sido o tinto da Última Ceia.

Cabernet Sauvignon

Seria resultado da combinação da branca Sauvignon Blanc com a tinta Cabernet Franc, daí o nome.

Tempranillo

Temprano significa cedo em espanhol e a Tempranillo leva este nome, pois amadurece mais cedo que as outras tintas espanholas.

Leia também:O último Les Gaudichots, um elo perdido da Borgonha

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com