Carregando

Aguarde, processando!

Os vikings produziam vinho?

Os vikings produziam vinho?

07/05/2017

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

1623 Visitas

Parece que sim! 
Descobertos em locais do palácio real de Fugledegård durante escavação ao redor do lago Tissô na Dinamarca sementes de uva para o preparo do vinho. O palácio foi ocupado no auge da era de Viking de 780-980AD.

São as mais antigas sementes de uva já descobertas na Dinamarca.

Em um relatório infomado pelos líderes da equipe de escavação, Peter Steen Henriksen, Sandie Holst e Karin Margarita Frei do Museu Nacional da Dinamarca, e publicado no Danish Journal of Archaeology, observou-se que: "Uma das sementes foi escolhida para estrôncio Isótopos para determinar a proveniência da uva. A composição isotópica de estrôncio da semente de uva produziu uma razão de 87Sr / 86Sr de 0,71091 (± 0,00004; 2σ) que se enquadra dentro da gama de referência de estrôncio isotópico da Dinamarca, indicando que a semente poderia ser de origem local. Por outro lado, a equipe também observou que os resultados também estavam próximos de outras áreas, como o norte da Europa, a Grã-Bretanha eo norte da Itália. As vinhas de Prosecco, por exemplo, têm uma gama isotópica de estrôncio de 87Sr / 86Sr entre 0,70706 e 0,71215, idêntica a Western Zealand. Como a carbonização leva as sementes a perder uma parte substancial do seu tamanho e outras características de identificação, não é possível determinar exatamente se o material vem de uma videira selvagem ou de uma videira cultivada . 


No entanto, é possível que haja uma conexão, considerando a influência viking sobre o que agora é a Ucrânia, a Bielorrússia e partes da Rússia dos séculos IX ao XI que criaram extensas redes de comércio para os Vikings na área e ampliaram seu alcance para o Mar Negro e Constantinopla.

Sabe-se também que, na Idade Média propriamente dita, havia vinhedos na Dinamarca, como no monastério cisterciense de Sorø, há apenas 25 km a sudeste de Tissø. 

E enquanto as pesquisas não confirmam a origem de plantio, sabe-se que beber era um hábito muito popular dos Vikings, que são vistos como guerreiros ferozes com uma forte inclinação para bebida. Historicamente são relatados inúmeros saques às abadias cristãs em guerras Vikiings.

Se a evidência física da descoberta ainda pode ser questionada no entanto, há uma abundância de fontes escritas, que atestam o gosto pelo vinho entre os Vikings. As terras da Europa ocidental rotineiramente atacadas pelos vikings eram ou produtoras de vinho (os impérios franco e bizantino, Espanha e Itália) ou foram longamente inculcados em uma tradição romano-cristã de beber vinho. O Arcebispo Aelfheah de Canterbury, por exemplo, foi espancado até a morte em 1012 por dinamarqueses bêbados de vinho francês que saquearam em Londres. Os noruegueses exigiam rotineiramente o vinho como parte dos exorbitantes tributos que exigiam dos governantes francos em troca de sua saída em paz.

Talvez a maioria dos vikings tenha decidido que era mais fácil extorquir vinho, do que fazer seus próprios. Mas pelo menos, o plantio de uvas poderia ter sido concebido como uma forma de melhorar o status de indivíduos de alta classe, como aqueles que viviam em Bulbrogård e Fugledegård e como uvas passas poderiam ter sido um luxo raro na sociedade viking.

O relatório conclui: "É importante que a evidência apontada para plantas de videira ou sementes em algum momento importado do sul e / ou as áreas insulares e daqui em diante cultivadas localmente. É tentador colocar as uvas dentro do cenário do vinho com base particularmente na evidência escrita - no entanto, no momento é tão provável que as uvas foram consumidos frescas ou secas. A fim de alargar o nosso conhecimento sobre o uso da videira na Escandinávia, pode-se esperar que o presente achado seja apenas o começo e que mais sementes de uvas sejam descobertas no futuro ".

Vamos aguardar novas descobertas... enquanto isso bebemos ao que já foi descoberto, certo?

Leia também: Descoberta a enzima dos vinhos envelhecidos

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com