Carregando

Aguarde, processando!

Guia rápido para apreciar o Jerez

Guia rápido para apreciar o Jerez

05/11/2019

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

44 Visitas

Por Marcelo Copello

O Jerez é tão quanto cultuado quanto versátil. Este vinho espanhol, feito na região de Jerez de la Frontera, é fortificado, elaborado com adição de aguardente vínica. Suas tipologias principais vão desde um dos vinhos mais secos do planeta, os Fino e Manzanilla, passando pelos de caráter mais oxidativo, os fascinantes Amontillado, Oloroso e Palo Cortado, e chegando a um dos vinhos mais doces da galáxia, o Pedro Ximenez. Preparei para vocês um guia, o mais conciso possível, com algumas dicas para entender e melhor apreciar o Jerez.

Tipos de Jerez

- Os secos. Fino e Manzanilla, dois vinhos semelhantes, muda o local de produção, dentro da região do Jerez. Têm cor muito clara, cerca de 15% de álcool e são muito secos, quase salinos, leves e refrescantes. Devem ser bebidos jovens.

- Os de caráter oxidativo, em ordem crescente: Amontillado, Palo Cortado e Oloroso. Têm cor amarronzada, são intensos, saborosos e mais encorpados, macios e complexos.

- Os doces. Existem alguns tipos de Jerez mais doce, mas o principal é o Pedro Ximenez (também chamado de PX), de cor muito escura, textura viscosa e sabor muito doce, com aromas que geralmente lembram melaço e caldo de cana.

Garrafa aberta

Umas das mais valias do Jerez é que suas garrafas resistem algum tempo depois de abertas. Quanto tempo? O vinho não é uma ciência exata, falamos de tempos aproximados, que serão maiores quanto mais cheia estiver a garrafa.

- Fino e Manzanilla – cerca de 10 dias

- Amontillado, Palo Cortado e Oloroso – cerca de 2 meses

- Pedro Xinemez - 3 meses ou mais

Temperatura de serviço

O ideal é que nenhum vinho seja bebido a mais que 20oC. No caso dos Jerez, que são mais alcoólicos, sugo que este máximo não passe 16oC. Sugestões:

- Fino e Manzanilla – entre 5 e 7 graus

- Pedro Ximenez – entre 7 e 10 graus

- Amontillado, Palo Cortado e Olor, entre 12 e 14 graus

Como combinar Jerez e alimentos

Este é o momento em que o Jerez brilha, quando corretamente combinado com alimentos. O Jerez vai aonde os outros vinhos não vão, pois combina-se bem com ingredientes pratos difíceis, com aspargos, raiz forte, alcachofras, picles, ovos, chocolate etc. Vajamos algumas dicas.

Vajamos algumas dicas e sugestões:

Fino e Manzanilla

Este são os mais versáteis entre os Jerez, a lista das combinações surpreendentes e sensacionais é longa. Provem, vale a pena!

- Jamon Serrano, Ibérico, presunto cru ou embutidos em geral- esta é uma combinação clássica e que, cuidado, vicia.

- Sushi e sashimi, com shoyo, wasabi e gengibre.

- Camarões, mariscos e peixes de carne branca em geral

- Mules et Frites – prato clássico belga de mexilhões com batata frita

- Queijos mais suaves e frescos, como minas (sem muita cura).

- Gazpacho, sopa fria de tomates e pepinos

- Ovo frito ou pratos com ovo em geral

- Aspargos, Azeitonas, picles.

- Frutas frescas

- Cevice

- Salada verde

Amontillado, Palo Cortado e Oloroso

- Carnes como frango, pato e outras aves, cordeiro e porco

- Peixes gordos como Salmão, Atum e Bacalhau

- Curry (tente um frango ao curry com um Palo Cortado)

- Alcachofras (sugiro creme de alcachofras com Amontillado)

- Queijos curados, como Manchego, Canastra e Parmezão

- Ensopados (experimente uma Rabada com Agrião com Oloroso

- Carnes de caça (javali assado com Amontillado)

- Defumados (salmão defumado com Palo Cortado)

- Cogumelos (tente um risotto ao funghi com Amontillado)

- Paté de fígado com Oloroso

Pedro Ximenez

- Chocolate, incluindo Fondue de Chocolate

- Queijos azuis, com gorgonzola

- Frutas em calda, em especial figos

- Doces portugueses

- Doces Árabes

- Sorvetes, em especial os de nozes, avelãs e baunilha

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com