Carregando

Aguarde, processando!

Grécia, uma novidade de 4 mil anos

Grécia, uma novidade de 4 mil anos

15/03/2017

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

1481 Visitas

A Acrópole de Atenas vista através de uma taça de vinho.

“Há um determinado vinho, chamado Saprias, do qual emanam aromas de violetas, rosas e ervas, como aromas sagrados que se espalham por todo o recinto.”

A descrição acima soa contemporânea, mas na realidade tem 25 séculos. O autor é o escritor ateniense Hermippus. Estas linhas nos mostram quão antiga é análise crítica de vinhos e o quão atual se mantém a abordagem grega do vinho.

Histórico

A vitivinicultura grega é tão rica quanto sua história, filosofia e mitologia. Suas 500 vinícolas produzem 500 milhões de litros de vinho ao ano, a partir de mais de 300 castas autóctones, cultivadas em uma centena de denominações de origem, indicações geográficas e apelações tradicionais, cada uma com seu terroir distinto. Este patrimônio vem sendo construído há 4 mil anos. A cultura do vinho na Grécia viu seu apogeu na antiguidade clássica que todos louvamos, quase extinguiu-se no período de dominação turca (séculos XV a XIX) e vive um renascimento nas últimas três décadas, com sua entrada na União Europeia em 1981.

Ânforas de vinho em um museu grego
 
Regiões

Em termos de regiões vinícolas a Grécia está dividida em cinco zonas: Norte (que inclui Trácia, Macedônia e Epirus), Centro-Attica; Creta, Ilhas do mar Egeu, Peloponeso-Ilhas do mar Jônico. A organização geográfica das zonas de produção é complexa. São 29 PDO´s (designação de origem controlada – o equivalente a DOC italiana, por exemplo), 95 PGI´s  (indicação geográfica protegida, equivalente a IGT), que são agrupadas em 8 macro zonas. Além disso, o tradicional vinho Retsina, misturado com resina, obedece a 17 designações geográficas tradicionais.

 
Terroir

Este pequeno país é vasto em sua variedade de terroirs, que vão de frias regiões montanhosas, com muitas diferenças de altitude (que criam muitos microclimas) até ilhas ensolaradas. Uma curiosidade: a Grécia possui mais de 6.000 ilhas, embora 90% seja deserta ou possua menos de 100 habitantes.

O clima é mediterrâneo (inverno frio e úmido, e verão quente e seco), com cerca de 250 dias de sol ao ano. A influência marítima é marcante em todas as regiões. Nunca se está a mais de duas horas do mar em qualquer ponto do país. Em geral chove pouco, mas o regime de chuvas varia muito conforme a região, o que faz grande diferença no estilo de cada vinho. Em termos de solo vi um pouco de tudo: argilosos, calcários, arenosos e até um pouco de xisto.

Vinhos

A boa notícia é que a Grécia é hoje um verdadeiro celeiro de vinhos bons e originais. Seguem aqui 3 vinhos gregos disponíveis no mercado

Amethystos Cava 2008, Domaine Costa Lazaridi, Drama-Grécia (GRK, www.grkproducts.com.br )

100% Cabernet Franc da região de Drama na Macedônia, com 18 meses em barricas francesas. Granada escuro. Aroma intenso e denso, de madeira bem presente bem integrada à frutas maduras, especiarias doces, tostados, café, ameixas passa, tabaco. Paladar encorpado, com uma intensa maciez vinda de seus 15% de álcool, taninos doces, longo, elegante e equilibrado. Este é o Top desta vinícola. Tirando um pouco de madeira e álcool em excesso é um vinho muito bom e consistente

Nota: 90 pontos

Amethystos Cava 2008, Domaine Costa Lazaridi, Drama-Grécia (GRK, www.grkproducts.com.br )

100% Cabernet Franc da região de Drama na Macedônia, com 18 meses em barricas francesas. Granada escuro. Aroma intenso e denso, de madeira bem presente bem integrada à frutas maduras, especiarias doces, tostados, café, ameixas passa, tabaco. Paladar encorpado, com uma intensa maciez vinda de seus 15% de álcool, taninos doces, longo, elegante e equilibrado. Este é o Top desta vinícola. Tirando um pouco de madeira e álcool em excesso é um vinho muito bom e consistente

Nota: 90 pontos

Amethystos Blanc 2015, Domaine Costa Lazaridi, Drama-Grécia (GRK, www.grkproducts.com.br )

Elaborado com  85% Sauvignon Blanc e 15% Assyrtiko da região de Drama na Macedônia, com maceração pelicular, sem passagem por madeira. Amarelo palha claro e brilhante, com aroma fresco e intenso e frutado, com notas de maracujá, limão, pera, aspargos, fundo mineral. Paladar leve e fresco, com ótima acidez, 13% de álcool, longo e refrescante.

Nota: 87 pontos

Agiorgitiko by Gaía 2012, Gaía, Neméa-Grécia (Mistral, www.mistral.com.br).

Agiorgítiko 100% da região de Neméa no Peloponeso, com passagem de 6-8 em barricas de carvalho francês. Granada entre claro e escuro. Aroma de frutas vermelhas maduras, couro, madeira especiarias. Paladar de médio corpo, com 13,5% de álcool que aparecem, já na maturidade.

Nota: 87 pontos

Leia amanha uma matéria sobre as castas autóctones da Grécia, um verdadeiro mar de uvas.

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com