Carregando

Aguarde, processando!

Como fazer um Grand Cru em casa

Como fazer um Grand Cru em casa

01/05/2018

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

2862 Visitas

Como fazer um Grand Cru em sua casa

Por Marcelo Copello

Dado o alto preço dos impostos que oneram o vinho no Brasil, resolvi fazer nossa bebida predileta em casa. Assim economizo uns cobres para ajudar a custear os lautos banquetes de leite de minha herdeira.

A idéia nasceu após uma degustação entre amigos em que tive a sorte de sentar ao lado de um emérito personagem, o “rei da noite carioca”, Ricardo Amaral. Ao provarmos um raro vinho branco francês ele me perguntou o que eu achava. Falei um monte de coisas dentre as quais citei "aromas de abacaxi e maçã”. O sábio guru retrucou de imediato: “meu filho, o dia em que abacaxi tiver este gosto eu paro de beber vinho e vou comer abacaxi…”.

Ele já deve ter esquecido o comentário en passant, mas eu não. Achei aquilo genial. De fato, se um grande vinho pode ser doublê de abacaxi, por que não vice-versa?

Porque ter tanto trabalho com as uvas para que no fim das contas o vinho se pareça com abacaxi, ameixas, amoras, carvalho etc?

Proponho então uma desconstrução e engenharia reversa nos vinhos. Vamos, cada um de nós, fazer o vinho que quisermos em casa.

Parafraseando um famoso seriado humorístico de TV, posso dizer que: “Seus problemas acabaram! Cansou de ler as descrições de vinho do Marcelo Copello e não perceber os aromas que ele descreve quando você prova os vinhos? Cansou de se empolgar e depois desanimar ao ver os preços dos vinhos? Agora você pode! Crie em casa seu próprio Grand Cru! Coloque você mesmo os aromas nele!”

Papel e caneta na mão? Anote sua lista de compras:

KIT Sauvignon Blanc

MIsture: suco de maçã verde e de maracujá, alguns tufos de grama fresca, limão à vontade, groselha branca e se quiser ainda um pedaço de aspargo. Este seria um Sauvignon Blanc da Nova Zelândia ou do Chile. Mas se você quiser um Sauvignon do vale do Loire você vai precisa de um gato e de um isqueiro, já que aromas típicos são pipi de gato e pedra de isqueiro. Cuidado apenas para não tocar fogo no gato.

KIT Late Harvest/Sauternes:

Para um Late Harvest use suco de laranjas bem maduras, com uma colher de geléia de damasco, duas colheres bem cheias de mel e suco de meio limão para equilibrar a acidez. Para este mistura se transformer em um autêntico Sauternes, com a nota típica do fungo botrytis, ponha algumas gotas de verniz e um pedaço de vela (para dar o típico toque de cera).

KIT Gewurztraminer:

Este é fácil, qualquer criança fez e se diverte. Em um copo de limonada bem suave junte água de rosas, lichias, lascas de gengibre e uma colher de mel.

KIT Vinho Natural

Quem quiser dar um toque mais complexo, rústico e natural a qualquer vinho acima, basta acrescentar algumas gotas de vinagre e de uma infusão feita com um par de meias usadas em uma partida de futebol, com prorrogação. Com isso ganhamos o toque natutal de acidez volátil e de brett.

KIT Chardonnay barricado:

Misture suco de abacaxi e de pêssego. Para os aromas de carvalho junte algumas gotas de essência de baunilha e um pequeno pedaço de cocada preta. Para melhorar a acidez adicione algumas gotas de limão. Se quiser fazer um Chardonnay da Borgonha, basta acrescentar um pedaço de giz, para dar um toque mineral. Bata tudo no liquidificador, coe e sirva gelado.

KIT Espumantes

Jogue no copo do liquidificador: água gasosa, um croissant bem amanteigado, um pedacinho de fermento de pão fresco, suco de abacaxi, frutas cristalizadas. Algumas gotas de limão fresco sempre ajudam a acidez e um toque de mel regula a doçura.

KIT Pinot Noir/Borgonha tinto:

Em um pote misture morangos e framboesas frescas. Junte algumas gotas de café espresso e de baunilha (para a nota de madeira) e dê um toque terroso com um pedaço de cogumelo seco. Se for um Grand Cru, vai precisar de mais taninos - coloque um pouco de chá preto e está resolvido.

KIT Cabernet/Bordeaux tinto:

Basta juntar algumas frutas negras, como cassis, ameixa preta e amora. Acrescente duas gotas de café espresso e essência de baunulha (para o toque de madeira) e chá preto (para dar taninos). Um pedaço de pimentão verde a tipicidade da casta. Se quiser fazer um Cabernet da Califórnia, coloque um pedaço de chocolate e e de cocaca preta (para dar a nota de carvalho americano). Se a intenção for criar um autêntico Grand Cru de Bordeaux, ponha um pedaço de charuto dará uma a nota de tabaco e complexidade e quebre um lapis ao meio e use o grafite, para dar o toque mineral típico do Médoc.

Estes são apenas alguns exemplos, crie suas próprias receitas!

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com