Carregando

Aguarde, processando!

Bordeaux 1959, a safra que enganou a todos! (Horizontal histórica)

Bordeaux 1959, a safra que enganou a todos! (Horizontal histórica)

12/05/2018

Marcelo Copello

Mundo do Vinho

1775 Visitas

Por Marcelo Copello

Uma das safras mais poderosas de Bordeaux em todos os tempos, frequentemente comparada (com vantagem) à mais famosa 1961, que saiu logo depois.

Quando os Bordeaux de 1959 foram lançados foram muito elogiados. Alguns críticos, contudo, alertaram que por sua baixa acidez os vinhos desta safra teriam vida curta. Hoje, quase 60 anos depois os melhores vinhos de 1959 ainda estão evoluindo. Um delicioso engano.

Participei de uma espetacular prova, com 6 grandes Bordeaux de 1959, todos em perfeitas condições, mostrando incrível consistência. Como sempre agradeço antes aos que me proporcionaram esta experiência e que comigo a compartilharam.

A SAFRA 1959 EM BORDEAUX

Em termos de clima este foi um ano perfeito do início ao fim, com verão quente, seco e com muitas horas de sol. O único porém foi a chuva no outono, o que fez com que muitos produtores adiassem a colheita em cerca de duas semanas, começando em 20 de setembro. As uvas resultaram muito concentradas e de acidez abaixo da média (fato plenamente compensado por abundância de taninos e demais elementos do vinho).

ESTILO

Em estilo os 1959 são frequentemente comparados a outros anos quentes, como 1982 e 1990 (quem sabe também 2003 e 2009, o tempo dirá). Os melhores 1959 são muito encorpados, opulentos, de textura macia, largos, potentes no nariz e boca, com grande profundidade, muitas camadas de sabor, e grande finesse. A safra foi excelente dos dois lados do rio, em todas as AOC. Os destaques foram Mouton (para muitos o melhor da safra), Lafite (nesta prova foi meu preferido embora ache que o Mouton vai ultrapassá-lo no futuro), além de Latour, Cheval Blanc, Petrus, Haut Brion e La Mission Haut Brion.

VINHOS PROVADOS

Château Lafite Rothschild 1959

Granada muito escuro, sem sinais de idade. Aroma intenso perfumado, muito puro, com notas minerais, de couro, flores, trufas, cerejas. Paladar poderoso, incrivelmente tenso e ao mesmo tempo macio, com força e fineza de taninos (que é o que sempre me impressiona nos melhores Lafites), muito longo. Clássico, espetacular, incrivelmente bem integrado. Está já aberto, em um momento ótimo, no apogeu, onde deve se manter muitos anos. Nota 100+.

Nota: 100+ pontos

Château Mouton Rothschild 1959

Cor granada muito escuro, sem sinais de evolução na cor. Aroma compacto e fresco, com notas de frutas maduras, cassis, madeira nova, couro, especiarias. Paladar de grande estrutura, gordo e macio, com taninos ainda presentes, Eu diria que ainda não se desenvolveu totalmente, aos quase 60 anos ainda não chegou a seu apogeu, tem muitos anos de vida pela frente. O mais jovem da prova de 1959.

Nota: 100 pontos

Château Palmer 1959

Granada escuro, com reflexos alaranjados. Aroma complexo, rico e concentrado, com muita fruta madura, couro, especiarias, cedro,cogumelos, ervas, terra molhada. Paladar encorpado, taninos firmes, álcool a acidez altos, excelente equilíbrio, bastante expressivo, no auge, onde deve se manter, pois não há sinais de decadência. Um grande ano para o Palmer (em uma outra prova da qual participei, este bateu às cegas o Château Margaux 1959).

Nota: 98 pontos

Château Gruaud-Larose 1959

Cor clara, com bastante evolução, granada-alaranjada, um pouco turvo. Aroma bastante etéreo, abriu-se devagar e mostrou grande complexidade, com notas de couro, baunilha, frutas secas, passas, tabaco, cedro, trufas. Em estilo diferente dos demais, menos encorpado e mais evoluído, mas não menos espetacular, com grande elegância e complexidade. Um grande vinho, maduro, perfeito, mas não deve evoluir mais.

Nota: 96 pontos

Château Léoville Las Cases 1959

Granada alaranjado. Aroma intenso, com notas de couro, especiarias, boa evolução, funghi, pimenta preta, cerejas, ameixa passa. Paladar firme, textura macia, cai um pouco no final. Excelente Bordeaux maduro em seu auge, perfeito, mas não deve evoluir mais.

Nota: 94 pontos

Château Cos D’Estournel 1959

Granada alaranjado escuro. Aroma intenso, com notas minerais, de grafite, além de frutas negras maduras, madeira nova e muitas especiarias, ervas. Paladar estruturado, taninos firmes, acidez boa, seco e fresco. Ótimo vinho, perfeito e sem sinais de decadência, mas sem a complexidade e profundidade dos demais, “fechou a raia” da prova de 1959.

Nota: 93 pontos

Marcelo Copello

Marcelo Copello


Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Eleito “O MAIS INFLUENTE JORNALISTA DE VINHOS DO BRASIL” pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho” 2011 e 2013 pelo site Enoeventos.

Curador do RIO WINE AND FOOD FESTIVAL, e Publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de diversos veículos de imprensa, colunista da revista Veja Rio online. Professor da FGV, apresentador de rádio e TV, jurado em concursos internacionais de vinho, como o International Wine Challenge (Londres). Copello tem 6 livros publicados, em português, espanhol e inglês, vencedor do prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e indicado ao prêmio Jabuti.

Especialista no mercado e nos negócios do vinhos, fazendo palestras no Brasil e no exterior, em eventos como a London Wine Fair (Londres). Copello é hoje um dos palestrantes mais requisitados. Para saber mais sobre as palestras e serviços de Copello clique AQUI

  

Contato: contato@marcelocopello.com